Volume 11. Nº1, Ano 2013

EDITORIAIS
• Palavras da Comissão Diretora da Fepal
• Zeitgeist
Mariano Horenstein

Calibán | Tempo

REF: sku_5526c54b67fe3_1428604235
R$ 35,00Preço
  • ARGUMENTOS
    • História, espaço e tempo no processo analítico
    Vera Adamo
    • Sobre tempos e contratempos
    Javier García
    • Psicanálise na infância: Em defesa de certo tempo
    Celso Gutfreind
    • Vicissitudes do tempo
    B. Miguel Leivi
    • Tempo e história na clínica psicanalítica
    Bernardo Tanis

    O ESTRANGEIRO
    • Do Tempo o que se diz
    Ricardo Kubrusly

    TEXTUAL
    • Uma intelectual de cabotagem
    Entrevista com Beatriz Sarlo

    VÓRTICE: ESCRITAS PSICANALÍTICAS
    (ESCREVER, LER E PUBLICAR NA AMÉRICA LATINA)
    • De “Achados, ideias, problemas”, uma longa viagem até Calibán
    Raya Zonana
    • A Revista Latinoamericana de Psicoanálisis, com o passar dos anos
    Gloria Gitaroff
    • Versões da Revista Latinoamericana de Psicoanálisis desde a sua fundação até Calibán
    • Como escrever a psicanálise clínica
    Eduardo Rubio
    • Escrever a psicanálise?
    Marta Mirza
    • Uma revista nova
    Edmundo Mango
    • Reencontrando as raízes: Novos ares
    Luís C. Menezes
    • Controvérsias editoriais/Controvérsias em psicanálise
    Leticia Fiorini
    • Revista de Psicanálise
    Ana Viñoly
    • Revista Brasileira de Psicanálise: Um sonho transformado em realidade
    Bernardo Tanis
    • “Yes, nós temos bananas!?”
    Ana Azevedo, Ana Vannucchi, Ester Sandler

    DOSSIÊ: WALTER BENJAMIN
    • Restos de um naufrágio
    Diana Sperling
    • Catástrofe e despertar. O tempo em Walter Benjamin
    Victor Krebs & Eduardo Jochamowitz
    • Passagens do sonho ao despertar da história
    Aléxia Bretas
    • Walter Benjamin e o tempo dos oprimidos
    Alicia Entel
    • No coração das coisas
    Roseli Azambuja
    • Aquele anjo ferozmente humano
    Adriana Yankelevich
    • Os personagens de Benjamin
    Jean Tauszik

    CLÁSSICA & MODERNA
    • Fabio Herrmann e a máquina de pensar de Freud
    Sandra Schaffa

    CIDADES INVISÍVEIS
    • Bogotá, 2.600 metros mais perto das estrelas
    Fernando Orduz

    DE MEMÓRIA
    • “Venha, vamos jogar”
    Miguel Azambuja
    • Sprezzatura Pontalis
    Marcelo Marques
    • Pontalis: Tão longe, tão perto
    Marilú Pelento