Instituto de Ensino e Formação Psicanalítica

 

A Sociedade Brasileira de Psicanálise do Rio de Janeiro (SBPRJ) tem uma longa tradição como entidade formadora de psicanalistas através do seu Instituto de Ensino e Formação Psicanalítica. A formação se sustenta fundamentalmente na análise pessoal dos postulantes e alunos para habilitá-los para a prática clínica.

Como parte integrante da formação, o Curso Introdutório tem Freud como referência básica e presença essencial, constando também a observação de uma relação mãe-bebê e seminários sobre técnica psicanalítica.

Num estágio mais avançado, a supervisão de casos e diálogos sobre situações clínicas acentuam o perfil clínico da formação.

A SBPRJ comporta uma visão teórica pluralista, o que se expressa no amplo leque de aportes que é oferecido ao aluno. Tendo Freud como eixo originário ao longo de todo o curso, também compõem o currículo outros autores: pioneiros da Psicanálise, Melanie Klein, Winnicott, Bion, Kohut e diferentes pensadores atuais da escola francesa e anglo-saxônica. Como áreas de interesse e pesquisa estão contemplados os estudos sobre psicoses, psicossomática, envelhecimento, cultura, família e casal.

Para a formação de analistas de crianças e adolescentes há um curso específico.

A organização do Instituto se rege pelo princípio da integração entre os diferentes níveis de conhecimento e experiência, havendo incentivo ao trabalho conjunto de alunos de todas as etapas da formação, assim como a participação e representação nos variados departamentos da Sociedade.

O aluno é estimulado a participar da vida institucional, tanto nas atividades científicas quanto culturais, já que se compreende a formação do psicanalista não somente como um desenvolvimento intelectual, mas, especialmente, como um crescimento emocional. Para atingir este objetivo, todo o Curso de Formação busca promover uma abertura às diversas formas de pensamento e ao convívio com as diferenças.

 

Formação Psicanalítica

 

Período anterior ao início da Formação exige: 
• Pré-requisito: curso universitário de Medicina ou Psicologia.
• Seleção dos postulantes à formação realizada a partir de duas séries de 03 (três) entrevistas com analistas designados para este fim (Modelos 1 e 2).

 

Período de FORMAÇÃO PSICANALÍTICA inclui:

 
1. Análise pessoal

 

É necessário que seja feita com um analista em exercício de função didática, com a freqüência de quatro ou cinco sessões semanais, por um período mínimo de 18 meses, prévio ao início do curso.

 
2. Aprendizado teórico e clínico que consta de três Períodos:

 

a. Período Introdutório, pré-requisito para o Período de Qualificação. É composto de 03 (três) cursos: 
• Estudo da Obra de Sigmund Freud 
• Desenvolvimento Emocional do Bebê à Adolescência – incluindo a Observação da Relação Mãe-Bebê 
• Curso Temático de Técnica 

b. Período Complementar: constituído por 05 (cinco) cursos de conceitos básicos de: Melanie Klein, Donald Winnicott, Wilfred Bion, autores da Escola Francesa e autores da Psicologia do Self. 

c. Período de Qualificação: composto por Cursos Eletivos, Seminários Clínicos e 02 (dois) casos de análise sob supervisão oficial

 

3. Participação no Grupo de Acompanhamento e Avaliação Contínua (GAAC), instância que acompanha e avalia o aluno durante todo o seu percurso na formação.

 

 

Formação de Crianças e Adolescentes

 
1. Admissão


1.1 - São condições para a inscrição no curso de formação em psicanálise de crianças e adolescentes:

a. Ser membro ou aluno da SBPRJ ou das Sociedades filiadas a IPA. O aluno deverá apresentar documentação que comprove o início do segundo caso de supervisão oficial. 

b. Ter experiência no atendimento com crianças e/ou adolescentes. 

c. Ser entrevistado por dois membros da Comissão de Coordenação do Departamento de Psicanálise de Crianças e Adolescentes.

 
2. Formação


2.1 - A Formação em Psicanálise de Crianças e Adolescentes constará de:

a. Observação da Relação Mãe-Bebê 

• O aluno deverá realizar observação da relação mãe-bebê do nascimento até um ano de idade. 

b. Seminários teóricos 
Composto por oito módulos com oito seminários. 

• A História da Psicanálise de Crianças e Adolescentes e seus principais representantes. 

• Teoria e Técnica de Psicanálise com crianças pequenas e latentes. 

• Teoria e Técnica de Psicanálise com adolescentes. 

• Psicopatologia psicanalítica da criança e do Adolescente I e II. 

• A criança, seus pais, o psicanalista e o ambiente. 

• Estados mentais primitivos e o Processo de simbolização. 

• Desenvolvimento emocional da Infância à Adolescência. 

 

3. Seminários Clínicos


Composto por seis módulos de seminários clínicos com seis seminários cada, onde os alunos apresentarão material clínico de sua própria experiência para discussão.

 
4. Trabalho Clínico Sob Supervisão

 

O trabalho clínico sob supervisão consiste na análise de dois pacientes em diferentes etapas de desenvolvimento (pré-escolar, latente, adolescente). A frequência mínima de cada caso oficial deverá ser de três sessões semanais. As supervisões serão realizadas semanalmente, com um mínimo de 40 (quarenta) sessões de supervisão para cada caso.

 

> Como Funciona a Formação

O Período Introdutório tem duração de dois anos e o Período Complementar, que se inicia no 2º ano de formação, ainda na vigência do Período Introdutório, estende-se por 05 (cinco) semestres.

O Período de Qualificação inclui a participação em seminários clínicos, cursos teóricos eletivos, o atendimento do primeiro caso de análise supervisionado por dois anos e o atendimento do segundo caso sob supervisão por um ano e meio.

Durante toda a formação é obrigatória a freqüência aos Grupos de Acompanhamento e Avaliação Contínua (GAAC).


Atenção: 
É facultada aos alunos, desde o início da formação, a frequência, como ouvintes, aos seminários clínicos de sua escolha, bem como, a participação, com créditos, de cursos eletivos que não tenham como pré-requisito a conclusão do Período Introdutório.

Além do programa acima descrito, o aluno participa das atividades científicas e culturais da Instituição ampliando, no convívio com os colegas e professores, o seu engajamento no processo de formação e aperfeiçoamento. A Brasileira do Rio entende esse processo como permanente, enquanto o analista praticar seu ofício de analisar.

Concluída a formação, o aluno, qualificado como psicanalista, poderá ingressar como Membro Associado da Sociedade Brasileira de Psicanálise do Rio de Janeiro.